constelação familiar

Constelação Familiar e as perguntas mais frequentes

A técnica da Constelação Familiar Sistêmica é o caminho da pacificação social, do equilíbrio e da plenitude do ser, uma evolução pessoal que reflete de forma sistêmica.

O objetivo é auxiliar as pessoas, partindo do núcleo familiar, instaurando os princípios basilares de hierarquia, equilíbrio e pertencimento de nossa ancestralidade (e dos fatores históricos que a precederam), que irá se refletir de forma positiva  em todas as áreas da vida do indivíduo, inclusive nas gerações futuras.

A seguir são relacionadas cinco perguntas frequentes sobre constelação familiar.

1. Quem pode fazer Constelação Familiar?

Tanto jovens, adultos e idosos podem fazer Constelação, desde que estejam dispostos a elaborar suas questões internas e melhorar sua relação consigo e com os outros, dentro ou além do núcleo familiar. O importante é que a pessoa tenha consciência de que, quando melhoramos a nós mesmos, isso se reflete em todo sistema familiar e social de maneira muito positiva.

2.Constelação Familiar  tem relação com religião ou um rito espiritual?

Não. Bert Hellinger (1925-2019) criador  das Constelações Familiares Sistêmicas, sempre fundamentou com base na ciência suas pesquisas de campo e seu trabalho foi sempre baseado na observação empírica dos fenômenos científicos. Berth Hellinger era escritor, filósofo, teólogo, pedagogo e psicoterapeuta, escreveu 84 livros, traduzidos em 30 idiomas.

A Constelação Familiar Sistêmica traz um diagnóstico de como nosso posicionamento, nossa postura diante da vida, se encontra em relação ao nosso sistema familiar e qual o impacto que o nosso comportamento tem em nossos relacionamentos. Essa é a chave para encontrar a plenitude em todas as áreas de nossa vida.

3.Como funciona uma Constelação Familiar Sistêmica?

Nossa postura diante da vida e nossos relacionamentos dizem muito sobre nós, até mais do que imaginamos,  importante dizer que são reflexivos também. Tudo que emitimos no campo vibratório e energético tende a retornar a seu ponto de origem. Nossa postura familiar, nossos hábitos (até mesmo inconscientes) estarão presentes conosco onde estivermos.

Quando agimos com vontade,verdade, lealdade e amor despertamos nossa consciência. Durante a aplicação do método utilizado pelo constelador bem preparado, são demonstrados (através das técnicas aplicadas) os padrões comportamentais, as desarmonias e os desequilíbrios passados naquele núcleo familiar.

É o que chamamos de Campos Morfogenéticos denominados pelo cientista Rupert Sheldrake biólogo, bioquímico, parapsicólogo, escritor e palestrante inglês, que propõe a idéia dos campos morfogenéticos, os quais ajudam a compreender como os organismos adotam as suas formas e comportamentos característicos.

Explicando: Morfo vem da palavra grega morphe que significa forma; genética vem de gêneses que significa origem. Sendo assim, os campos morfogenéticos são campos de forma, campos padrões, estruturas de ordem, mecanismos padrões. Estes campos organizam os sistemas de organismos vivos e também de cristais e moléculas. Desta maneira cada tipo de molécula, cada proteína, por exemplo, tem o seu próprio campo mórfico (como por exemplo: insulina, hemoglobina, dentre outros).

Do mesmo modo cada tipo de cristal, molécula, organismo, ou cada tipo de instinto ou padrão de comportamento, também tem seu campo mórfico. Estes campos são os que ordenam a natureza. Há muitos tipos de campos, porque há inúmeros padrões dentro da própria natureza, inclusive os padrões comportamentais humanos, onde fazemos conexão com o chamado Inconsciente Coletivo na visão de Carl Jung (1875-1961), renomado psiquiatra, psicólogo e neurocientista.

Analisando comportamentos, pensamentos, memórias, rituais e costumes, percebemos que desde os primórdios da humanidade partilhamos elementos comuns que, segundo a Teoria do Inconsciente Coletivo, configuram uma espécie de herança psíquica.

Estaríamos, portanto, frente a uma “caixa psíquica”, que herdamos como indivíduo e consequentemente formamos núcleos, sistemas integrados que, de algum modo e segundo essa teoria, afeta o nosso modo de pensar, nossos comportamentos e as nossas emoções mais profundas.

Sendo assim a aplicação da constelação tem por finalidade demonstrar esses padrões por vezes negativos e viciosos de nossa postura e como alterar,reprogramar ou melhor resignificar estes padrões. Desta forma, poderemos finalmente viver com mais sabedoria, gratidão, tranquilidade, alegria, equilíbrio, confiança e plenitude as experiências que a vida nos convida a realizar.

4. Quando eu começo a sentir os efeitos de uma Constelação Familiar?

Em alguns casos, é perceptível uma melhora evidente até mesmo na primeira aplicação do método. Isso depende do caso concreto e da necessidade de cada paciente que deve ser tratado com profundo respeito e profissionalismo, além da discrição e do sigilo profissional que também fazem parte das características de um bom constelador.

As Constelações proporcionam um método diagnóstico que permite ao constelador observar, perceber e identificar como a postura interna do constelado, até mesmo inconsciente, afeta o meio em que este vive, no qual muitas vezes traz inúmeros problemas de relacionamento, conflitos nas mais diversas áreas como por exemplo, dificuldade em manter relacionamentos, dificuldade em equilibrar-se financeiramente, disfunções emocionais e até mesmo doenças. O corpo reflete aquilo que incomoda a nossa alma.

Desta forma, este método da Constelação, nos orienta a resignificar, alterar nossos padrões de comportamento, perceber nossa postura interior e a maneira como agimos em nossas relações, no intuito de conseguirmos elaborar e nos vermos livres de comportamentos viciantes, tóxicos e negativos que existem dentro do núcleo familiar e que também afetam todas as relações sociais.

Quando despertamos nossa consciência, melhoramos nosso campo mental e isso se reflete de maneira integrada em todas as áreas de nossa vida: saúde, família, trabalho, finanças, relacionamentos.

5. A Constelação Familiar substitui meu tratamento com psicólogo ou psiquiatra?

Não, de maneira alguma. Se vc está fazendo tratamento com psicólogo, ou psiquiatra, tomando remédios, você não deve abandonar seu tratamento clínico! Na dúvida converse com o profissional. Ele conhece seu caso e saberá como melhor lhe orientar.

A Constelação Familiar pode ser usada como uma alternativa terapêutica, em harmonia com outros tratamentos, mas não substitui o acompanhamento clínico que vc já fazia anteriormente. Jamais abandone seu tratamento psiquiátrico ou psicológico sem a autorização do profissional que te acompanha.

Fé, amor e gratidão! Sempre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *