As 3 ordens do amor de Bert Hellinger

As 3 ordens do amor de Bert Hellinger

O pai da Constelação Familiar, Bert Hellinger, em seus ensinamentos trouxe de maneira muito clara que, para que se estabeleça o equilíbrio em cada sistema, partindo do núcleo familiar, para que se possa fluir a paz e o amor em nossa vida, é necessário que haja o respeito às 3 ordens do amor.

Primeiro vc precisa entender que sistema familiar significa a família a qual vc pertence. Isso inclui basicamente seus tataravós, bisavós, avós, pais, filhos, irmãos, todos… em torno de mais de 20 gerações. Faz parte da família também aqueles que por afinidade se tornaram da família, mesmo não tendo o mesmo sangue, são os chamados laços afetivos trazidos ao seio familiar. De forma integrada formaram todo um sistema. Todas as estórias, todos os sentimentos, fatos tristes e os felizes pertencem a este núcleo imenso… existiram “estórias” que marcaram este histórico familiar e que ecoam ao longo do tempo. Isso tudo tem influência direta ou indireta quer vc queira, quer não… sobre a sua vida. Todos os fatos que aconteceram no seu sistema familiar antes de vc nascer, tem de alguma forma relação com o que vc é hoje no presente.

Então vamos lá… as ordens do amor são basicamente três:

1- Hierarquia:

É simples:  cada membro deve ocupar o  seu lugar em termos de precedência. Ou seja, os que vieram antes devem ser respeitados pela sua ordem cronológica. Avós precedem os pais… os pais precedem os filhos.

Basicamente isto significa:  gratidão e respeito a quem veio antes. Quando não ocorre esse olhar de reconhecimento e gratidão ocorre um desequilíbrio no sistema. Quero ressaltar que essa é uma ordem de precedência, e não de importância. Claro que existem núcleos familiares em que os membros que vieram depois são também muito importantes em nossa vida. Ou até mais importantes. A ordem de hierarquia de Hellinger não é ordem de preferência, e sim cronológica… e portanto devemos ter gratidão e respeito aos nossos ancestrais. Mesmo que não tenhamos conhecido muitos deles.

2- Equilíbrio entre dar e tomar:

“Tomar”  em constelação familiar significa receber.

Sem este princípio também não é possível haver equilíbrio num sistema familiar.

Quem recebe fica grato e dá de volta aquilo que recebeu. E quem recebe de volta retorna para aquele que emanou. Isso gera um vínculo, um círculo de sentimentos que circulam nas relações e pelas gerações futuras. O amor cresce e se perpetua.

Entretanto existe uma particularidade na relação entre pais e filhos. Os pais são os doadores: nos deram a vida, nos criaram, nos ajudaram a crescer (independente da maneira como pensavam ou agiram, vamos pensar sem julgamentos) e os filhos são os  receptores. Normalmente nas relações os pais dão,  filhos portanto recebem.

Os filhos como receberam dos pais, quando formarem seus próprios núcleos, retribuirão o que receberam e futuramente darão a seus filhos. Aqui é o mais importante: poderá dar e receber de forma equilibrada na vida quem recebeu aquilo que os pais deram. Os pais nos deram a vida. Isto por si só já nos torna gratos a eles, mesmo que existam diferenças enormes, conflitos, históricos negativos, não se apegue a isso… isso afeta a sua evolução, o seu caminhar… somente agradeça aos seus pais, mesmo que já não estejam entre nós. Se não fossem eles, a sua estória, suas lutas e suas renúncias vc não estaria aqui hoje. Fizeram o que puderam ou o que achavam melhor.

E para aqueles que não tiveram um bom relacionamento com seus pais ou  que foram marcados por acontecimentos tristes como abandono, maus tratos, violência doméstica… fica para reflexão uma frase acolhedora e motivadora que diz assim:

“Não importa o que fizeram com você, o que importa é o que você faz com aquilo que fizeram com você”

                                                                                                                                                (Jean-Paul Sartre)

Mesmo que doer, siga em frente. A paz de uma consciência tranquila não tem preço.

3- Pertencimento: 

Basicamente, essa ordem diz que nenhum membro poderá ser esquecido ou excluído.

Todos devem ser acolhidos com amor e não podem ser deixados para trás, independente do que fizeram. Deve-se perdoar, reincluir este membro ou sua memória, no núcleo familiar. Deve-se olhar  para os antepassados com profunda gratidão, honrar suas estórias, sem julgamentos. Desejar a todos eles muita paz e muita luz, onde quer que estejam. Quando agimos dessa forma, equilibramos nossa essência, e isso  reflete de maneira extremamente positiva para todos os membros da família. O maior remédio é o amor.

Quando imperam estas 3 ordens do amor, o sistema familiar  se reequilibra e todos os seus membros encontram a paz que tanto desejam. A partir do momento em que estabelecemos a cada membro da família o seu lugar de direito, com gratidão, amor e reconhecimento, honrando suas estórias, e seguindo com nosso coração em paz o nosso próprio fluxo… vamos poder  trilhar nosso próprio caminho, agradecendo tudo que recebemos de bom. Assim finalmente, encontramos o nosso ponto de equilíbrio e a plenitude para podermos desfrutar uma vida em paz. E sentir essa paz… é algo maravilhoso.

Fé, amor e gratidão! Sempre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *